;
Zalviso

Sobre Zalviso®

Alívio forte, prolongado e fiável da dor aguda [ref],[ref],[ref]

Rápido início de ação [ref],[ref],[ref],[ref],[ref]

Administração sublingual de sufentanilo, não invasiva e vantajosa[ref],[ref],[ref]

Um sistema pré-programado fácil de preparar e de utilizar[ref],[ref],[ref],[ref]

ZALVISO® é um sistema de administração portátil, não invasivo e administrado pelo doente, para a gestão da dor pós-operatória.

Foi concebido para dispensar por via sublingual, nano-comprimidos simples de 15 µg de sufentanilo numa base controlada pelo doente e consoante as necessidades deste, indicado para o tratamento da dor pós-operatória aguda, de moderada a grave em doentes adultos (SPC ZALVISO® 09/2015).

ZALVISO® deve ser prescrito apenas por médicos com experiência na gestão de terapêutica com opioides.

A substância ativa de ZALVISO® é o sufentanilo, um agonista dos recetores opioides µ, habitualmente utilizado na prática clínica. O sufentanilo é o analgésico opioide mais forte disponível para administração em humanos. Com uma potência 5 a 10 vezes superiorao fentanilo e de cerca de 500 vezes mais potente do que a morfina.

Zalviso


Fórmula molecular:
C22H30N2O2S

Nano-Comprimido sublingual 

  • Aplicação sublingual não invasiva de 15 μg de sufentanilo
  • Formação de um “biogel” debaixo da língua, que proporciona um perfil farmacocinético constante impedindo a ocorrência de picos plasmáticos, como acontece habitualmente com sistemas de PCA IV com morfina, por exemplo

Componentes de utilização única

  • Latin AmCartucho contendo 40 nano-comprimidos
  • Bocal (Dispensador)erica

Dispositivo médico (reutilizável, recarregável)

  • Duração: 30.000 aplicações
  • Carga para 72 horas, recarregável em 4 a 8 horas
  • Pré-programado, sem risco de erros de programação

Sistema pronto a utilizar

  • Acesso controlado através de uma etiqueta especial de identificação por radiofrequência (RFID) no polegar
  • Bloqueio do dispositivo durante 20 minutos (intervalo de segurança entre as tomas)
  • Preso à cama do doente através de um cabo de segurança

Características do sufentanilo

Metabolismo e eliminação14

  • Metabolizado principalmente no fígado e parcialmente no intestino delgado pelo citocromo P450-3A4
  • Nenhum metabolito ativo clinicamente relevante. A morfina e a hidromorfona, pelo contrário, têm metabolitos ativos que se podem acumular quando é utilizado um sistema de PCA
  • Eliminação principalmente renal e também biliar
  • 80% da dose administrada é excretada ao fim de 24 horas

Características da administração sublingual de ZALVISO14

  • O comprimido sublingual com 15 µg de sufentanilo é equivalente a 3-4 mg de morfina intravenosa
  • bioaderência graças à sua formulação à base de manitol que adere à mucosa
  • A sua pequena dimensão é vantajosa para a administração sublingual, mesmo em doentes que não podem tomar medicação oral na fase pós-operatória.

Comparação dos parâmetros farmacocinéticos de uma administração intravenosa / sublingual

A libertação sublingual aumenta o tempo de semivida plasmática8

Índice terapêutico14

O sufentanilo tem um índice terapêutico muito elevado em comparação com outros agonistas opioides µ15-18

Índice terapêutico: DL50/DE50; DL: dose letal; DE: dose eficaz

Por vezes é utilizado o termo razão de segurança em vez de índice terapêutico. Os ensaios clínicos sugerem que o sufentanilo apresenta um menor risco de depressão respiratória do que o fentanilo19

Sublingual Sufentanil

Nota: Os documentos e a informação fornecidos nestas páginas são supranacionais e podem não ser aplicáveis nem vinculativos para o seu país em particular. Para aceder aos documentos sobre Zalviso® relevantes e vinculativos para o seu país, contacte a filial da Grünenthal no seu país.
  • References

    1. Melson T et al. Pain Practice. 2014;14:679–88.

    2. Ringold FG, et al, Reg Anesth Pain Med 2015;40:22-30.

    3. Jove M. et al., Anesthesiology 2015; Jun 16.

    4. Scott JC et al., Anesthesiology 1991;74:34-42.

    5. Schafer SL, Flood P, The Pharmacology of Opioids. In Geriatric Anesthesiology.New York, NY: Springer Verlag. 2007: Ch. 15, Table 15-1.

    6. Lotsch J et al., Anesthesiology 2001;95:1329-1338.

    7. Lalovic B et al. Clin Pharmacol Ther. 2006;79:461–79.

    8. Willsie SK et al. Clin Ther.2015;37:145–55.

    9. Henry S. Pain Management.In Acute Care Surgery. Philadelphia, PA : Lippincott Williams and Wilkins.2012: Ch. 14, p. 203.

    10. Schwenkglenks M et al. PAIN ®. 2014;155:1401–11.

    11. Grass JA. Anesth Analg. 2005;101:544–61.

    12. Lien C et al, Hosp Med Clin.2012;1:e386–e403.

    13. Chan VW et al. Reg Anesth.1995;20:506–14.